Germinar na Bio Brazil Fair

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

O amor

Um dia, quem sabe,
ela, que também gostava de bichos,
apareça
numa alameda do zôo,
sorridente,
tal como agora está
no retrato sobre a mesa.
Ela é tão bela,
que, por certo, hão de ressuscitá-la.
Vosso Trigésimo Século
ultrapassará o exame
de mil nadas,
que dilaceravam o coração.
Então,
de todo amor não terminado
seremos pagos
em inumeráveis noites de estrelas.
Ressuscita-me,
nem que seja só porque te esperava
como um poeta,
repelindo o absurdo quotidiano!
Ressuscita-me,
nem que seja só por isso!
Ressuscita-me!
Quero viver até o fim o que me cabe!
Para que o amor não seja mais escravo
de casamentos,
concupiscência,
salários.
Para que, maldizendo os leitos,
saltando dos coxins,
o amor se vá pelo universo inteiro.
Para que o dia,
que o sofrimento degrada,
não vos seja chorado, mendigado.
E que, ao primeiro apelo:
- Camaradas!
Atenta se volte a terra inteira.
Para viver
livre dos nichos das casas.
Para que doravante
a família seja
o pai,
pelo menos o Universo;
a mãe,
pelo menos a Terra.

Vladimir Maiakóvski (tradução: Haroldo de Campos)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

O site retornou

Algumas imagens sumiram, mas o site está funcionando normalmente.
Começar 2010 sem crueldade com os animais será um bom recomeço.
www.lojagerminar.com.br

sábado, 19 de dezembro de 2009

Germinar - Produtos Orgânicos e Naturais

O site está fora do ar por até 48h. Parece que deu algum problema no servidor.
Qualquer esclarecimento, favor escrever para lojagerminar@gmail.com

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Oscar Niemeyer e Chico Buarque



“Eu me lembro que na Europa, às vezes eles diziam: ‘O passado arquitetônico
de vocês é pobre, é mais português do que brasileiro’. E eu dizia: ‘isso é muito
bom para nós, porque vocês vivem circulando entre monumentos, e nós estamos
livres pra fazer hoje o passado de amanhã’.”

Oscar Niemeyer


Catedral, em Brasília




Sede do partido comunista, França




Igreja da Pampulha, Belo Horizonte

sábado, 12 de dezembro de 2009

Germinar na mídia

KIT TOILETTE DA GERMINAR PARA OS MOCHILEIROS DE PLANTÃO

São cinco versões reduzidas de produtos cítricos da marca Est, necessários para higiene pessoal que, inclusive, são permitidos em bagagens de mão em voos internacionais.
“Este é um dos produtos mais procurados para quem vai viajar ou presentear alguém”, afirma Sandra Luiz Alves, proprietária da Germinar.

O sabonete líquido bergamota de 60 ml, que compõe o kit, possui fórmula suave, que limpa, hidrata e protege a pele. Sem corantes ou óleo mineral, o produto é recomendado para uso diário. Seu perfume é uma combinação perfeita de cítricos alaranjados como a laranja, mexerica e bergamota.

O sabonete vegetal melissa de 35g é elaborado com óleos 100% vegetais de palma e palmiste, de plantio sustentável. Sem gordura animal, álcool ou óleo mineral, o produto tem uma espuma rica e hidratante. Sua delicada fragrância vem da erva-cidreira, ou melissa officinalis, que acalma.

Os sais de banho de limão (60g) têm fórmula suave que proporciona relaxamento. Feitos com a fragrância Est limão, os sais acalmam e renovam as energias.
 

Já o xampu e o condicionador vetiver de 60 ml possuem entre seus ativos extratos de algas laminárias, extrato de aloe vera e extrato de erva-cidreira. A combinação dessas substâncias condiciona, amacia e dá brilho aos cabelos. Próprios para cabelos mistos, limpam e hidratam as pontas dos cabelos sem acrescentar oleosidade à raiz.
 

Os produtos podem ser encontrados para venda no site da empresa (www.lojagerminar.com.br).
 

Com um ano de mercado, a Germinar trabalha com produtos orgânicos de diversas empresas, como Arte dos Aromas, Cassiopeia, Contente, Est, Morada da Floresta e Naturais da Amazônia.
http://www.biobrazilfair.com.br/2010/codigo/noticias_detalhe.asp?noticia_id=17872 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O silêncio é cúmplice da covardia

Por FABIO CHAVES
A música mostra a visão de uma pessoa que, indiretamente, suja suas mãos de sangue ao ignorar todo tipo de exploração animal. Este ser humano entra em conflito consigo mesmo ao ver um boi correndo, tentando escapar de seu destino. E ele sabe que o boi não terá uma chance, a morte e o sofrimento são iminentes. E enquanto nós ficamos alienados, muitos animais estão fechando seus olhos.

A música é de Zozi Xavier (músico de Florianópolis-SC) e está disponível no myspace, em seu projeto “La noche del cuervo“: http://www.myspace.com/lanochedelcuervo

Mãos limpas (tradução)

tentando uma fuga que será em vão
fugindo, não quero ficar no escuro
tentando escapar de seu destino
mas o sofrimento é iminente

Eu não sujo minhas mãos de sangue
Nem sujo nossas memórias
nós estamos andando em câmera lenta
em direção ao caos
enquanto ele fecha os olhos

morte é quase um alívio
mesmo que seu coração bata mais forte
e o sangue corra mais rápido em suas veias,
para alertar sobre os perigos,
qualquer resistência é inútil

Eu não sujo minhas mãos de sangue
Nem sujo nossas memórias
nós estamos andando em câmera lenta
em direção ao caos
enquanto ele fecha os olhos

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Comida viva com castanha-do-pará

Castanha-do-pará

O óleo de castanha-do-pará evita rugas e flacidez
Possui vitaminas lipossolúveis como a A e a E, que são indispensáveis na proteção da pele, evitando o seu envelhecimento e aparecimento de rugas e flacidez. Com propriedades emolientes e hidratantes forma uma película protetora, impedindo a evaporação da água da pele.
Pode ser encontrado em: www.lojagerminar.com.br

Retarde o envelhecimento comendo uma castanha por dia

1 castanha por dia...
...não mais do que isso, garante as doses de selênio de que seu corpo precisa para preservar cada célula,botar para fora possíveis substâncias tóxicas e viver mais
por DIOGO SPONCHIATO
Cabe na palma da sua mão, e ainda sobra um espaço e tanto, a arma que vai superproteger as unidades microscópicas do seu organismo. Em segundos, ao mastigar uma única castanha-do-pará, você recarregará os níveis de um mineral extremamente importante para uma vida longa e saudável: o selênio. A pequena oleaginosa repõe a quantidade do nutriente necessária para dar combate ao envelhecimento celular, causado pela formação natural daquelas incansáveis moléculas que danificam as células, os radicais livres.
Um estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, atesta que a ingestão diária de duas castanhas-do-pará recentemente rebatizadas castanhas-do-brasil eleva em 65% o teor de selênio no sangue. Mas provavelmente os neozelandeses não usaram o legítimo produto brasileiro. Ora, nós somos sortudos. É que as castanhas produzidas no Norte e no Nordeste do país são tão ricas em selênio que bastaria uma unidade para tirar o mesmo proveito. A recomendação é de que um adulto consuma, no mínimo, 55 microgramas por dia, diz a nutricionista Bárbara Rita Cardoso, pesquisadora do Laboratório de Minerais da Universidade de São Paulo. E com uma unidade da nossa castanha já é possível encontrar bem mais do que isso de 200 a 400 microgramas do bendito selênio. Aliás, o limite de consumo diário do mineral é de 400 microgramas, portanto, não vá com muita fome ao pote. No caso de uma criança, meia castanha seria suficiente, afirma Silvia Cozzolino, presidenta da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.
E por que toda essa fama do selênio? Ele é essencial para acionar enzimas que combatem os radicais livres, responde Christine Thomson, a pesquisadora neozelandesa que investigou as propriedades da castanha. O selênio se liga a algumas proteínas já existentes em nosso corpo para formar essas enzimas antioxidantes, descreve, completando, Bárbara Cardoso. Na ausência dele, as tais enzimas fi cam sem atividade e, então, deixam de combater os radicais e ainda desguarnecem as defesas do organismo.
O mineral da castanha também teria um papel especial na proteção do cérebro. É que, com essa capacidade de acabar com a farra dos radicais livres, as células nervosas seriam preservadas, evitando o surgimento de doenças neurodegenerativas com a idade. Justamente por isso, a pesquisadora Bárbara Rita Cardoso começa a estudar os possíveis benefícios do selênio em portadores do mal de Alzheimer. A gente desconfia que nesses pacientes os radicais façam maiores estragos, diz ela.
A tireóide também funciona melhor na presença do selênio, acrescenta Christine Thomson. Isso porque, se não houver esse elemento, ela não consegue produzir direito seus célebres hormônios. O mineral também está intimamente associado à capacidade de o organismo se livrar de substâncias tóxicas, ajudando-o inclusive a expulsar possíveis metais pesados que se alojam nas células.
http://saude.abril.com.br/edicoes/0298/nutricao/conteudo_278887.shtml

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Vetiver (vetver) – “Vetiveria zizanioides”


Esta planta é excelente para a estabilização do solo e o controle de erosão. Pode chegar a medir dois metros de altura, ter raízes com até seis metros de profundidade e viver até 50 anos. Ela também é conhecida como capim-vetiver, capim-de-cheiro, grama-cheirosa, grama-das-índias, falso-pachuli, pachuli (patchuli) e raiz-de-cheiro.
Com as folhas são feitos tapetes, cestas e servem para cobrir telhados; e com suas raízes aromáticas se faz telas, tecidos, leques, além da extração do óleo essencial, conhecido na Índia como o óleo da tranqüilidade (alivia o estresse e relaxa). Tem cheiro de terra, madeira e cítricos.
A EST, empresa brasileira de cosméticos, conhecida entre os vegetarianos por não utilizar nenhum ingrediente extraído de animais e não testar em animais, produz xampu e condicionador com este óleo orgânico. Indicados para cabelos mistos, o condicionador também é um excelente amaciador de pelos e pode ser utilizado antes do barbear. Podem ser encontrados em www.lojagerminar.com.br


A raiz do vetiver está na lista de plantas medicinais por combater a febre, enxaqueca, entre outras; e protege as roupas e a pele de insetos.
No livro “Viver de bem com a vida – alimentação natural e plantas medicinais para uma vida saudável”, de Paulo A. Bordino, LMP Editora, (www.viverdebemcomavida.com.br/) fornece a receita de um chá para combater a enxaqueca:

- Raiz em infusão: 15g para cada um litro de água. Tomar três a quatro xícaras de chá ao dia.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Pássaros e gatos ou a liberdade pela óptica feminina?




Estou apaixonada pelas fotos com asas de Adriana Gragnani (http://www.asgavetas.blogspot.com/). A foto acima foi enviada pela artista para este blog.

Os gatos

Lygia Fagundes Telles

 
“Ele fixaria em Deus aquele olhar de esmeralda diluída, uma leve poeira de ouro no fundo. E não obedeceria porque gato não obedece. Às vezes,quando a ordem coincide com sua vontade, ele atende, mas sem a instintiva humildade do cachorro. O gato não é humilde. Traz viva a memória da liberdade sem coleira. Despreza o poder porque despreza a servidão. Nem servo de Deus. Nem servo do Diabo.
Mas espera, já estou me precipitando, eu pensava naquela fábula da infância: é que Deus Nosso Senhor pediu água ao cachorro que lavou lindamente o copo e com sorrisos e mesuras foi levá-lo ao Senhor. Pedido igual foi feito ao gato e o que fez o gato? O fingido escolheu um copo todo rachado, fez pipi dentro e dando gargalhadas entregou o copo nojento na mão divina.
Acreditei na fábula, na infância a gente só acredita. Mais tarde, conhecendo melhor o gato, descobri que ele jamais teria esse comportamento, questão de feitio. De caráter. Ele ouviria a ordem e continuaria deitado na almofada, olhando. Quando se cansasse de olhar, recolheria as patas como o chinês antigo recolhia as mãos nas mangas do quimono. E mergulharia no sono sem sonhos, gato sonha menos do que cachorro que até dormindo se parece com o homem. Outro ponto discutível: dando gargalhadas? Mas gato não dá gargalhada, só cachorro. Meus cachorros riam demais abanando o rabo, que é o jeito natural que eles têm de manifestar alegria, chegavam mesmo a rolar de rir, a boca arreganhada até o último dente. O gato apenas sorri no ligeiro movimento de baixar as orelhas e apertar um pouco os olhos, como se os ferisse a luz. Esse é o sorriso do gato – ô bicho sutil! indecifrável. Inatingível.
Nem pior nem melhor do que o cachorro, mas diferente. Fingido? Não, ele nem se dá ao trabalho de fingir. Preguiçoso, isso sim. Caviloso. Essa palavra saiu da moda mas deveria ser reconduzida, não existe melhor definição para a alma do felino. E de certas pessoas que falam pouco e olham. Olham. Cavilosidade sugere esconderijo, cave – aquele recôncavo onde o vinho envelhece.
Na cave o gato se esconde, ele sabe do perigo. Mas o cachorro se expõe, inocente.
Foi na minha juventude que conheci o gato bem de perto. Me preparava para os vestibulares da Academia do Largo de São Francisco, era noite. E eu lia Iracema sem vontade, lia em voz alta, aos brados, para espantar o sono. Então ouvi um ruído brusco de coisa algodoada entrando pela janela e parando atrás da minha cadeira. Senti o olhar da coisa se fixando em mim. Fui me voltando devagar, afetando aquela calma que estava longe de sentir: um gato malhado, espetado nas quatro patas, me encarava, perplexo. Eu também perplexa. Fomos nos recuperando do susto, eu menos tensa do que ele. Meu apartamento era no primeiro andar de um prédio cercado de casario e essa janela da sala dava para o telhado de uma casa velhíssima, por onde transitavam os gatos do bairro.
Por onde andam hoje os gatos que não encontro mais nenhum. Naquele tempo havia gato à beça nos muros, nos telhados. “É que a vida apertou e gato dá um bom cozido”, explicou o jornaleiro. A fome aumentou e o telhado diminuiu, onde agora os telhados nos quais eles ficavam tomando sol? Caçando passarinho. Amando. Os ratos todos em plena circulação, fortalecidos. E os gatos, onde estão os gatos? Pois aquele era um gato de telhado, as manchas amarelas e pretas num fundo branco. E os olhos. Por alguma razão obscura, escolheu minha casa: estendi a mão afeita a acariciar cabeça de cachorro. Mas cabeça de gato não é cabeça de cachorro – primeira lição que ele deu ao recuar com uma soberba que me confundiu. A conquista do gato é difícil, embrulhada, não tem isso de amor repentino: mais um movimento de aproximação e ele fugiria ventando.
Fui buscar o pires de leite, deixei-o ao alcance do visitante da noite e continuei a ler o romance da virgem dos lábios de mel, mas em voz baixa, intuí que ele preferia o silêncio. Ele ou ela? Sexo de gato não é nítido como sexo de cachorro, outra diferença importante. Leva algum tempo para a descoberta do sexo, da unha e da idade.
Gato ou gata, vai se chamar Iracema, resolvi. E deixei meu hóspede, a casa é sua.
Então ouvi o ruído delicado, ele bebia leite, mas não como os cachorros bebem, sofregamente, espirrando em redor. O gato é discreto. Há que amá-lo discretamente, pensei e fiquei sorrindo. Tenho um gato.
“Tudo passa sobre a terra!” – estava escrito no final do romance que achei triste. Olhei para a outra Iracema que dormia no meio do tapete. Também você vai passar? Tu quoque, Iracema?! Não sabia ainda que permaneceria infinita na minha finitude.”
Texto extraído do livro “A disciplina do amor”


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Bioabsorventes – 100% algodão. O preconceito pode ser fatal.


Os bioabsorventes são confeccionados em tecido de algodão antialergênico, nos livra do contato com as substâncias químicas não saudáveis dos absorventes descartáveis que provocam alergias, cistos, infecções, cólicas e até câncer.
Absorventes e tampões descartáveis são feitos de papel (árvores) alvejado, plásticos e vários contêm ingredientes mais desagradáveis, como metais, surfactantes, desinfetantes, fragrância, bactericida, fungicida, gel absorvente, colas e traços de organocloretos entre outros ingredientes. A lei não regula o que vai aos produtos menstruais e as indústrias não precisam listar seus componentes na embalagem.
Pegando apenas um exemplo do impacto que isso pode ter em você: organocloretos, como a dioxina, um subproduto do processo de branqueamento, tem sido associado a problemas de saúde em humanos e animais, contribuindo para o câncer de mama, deficiências do sistema imunológico, endometriose, defeitos no feto e câncer de colo de útero (cérvix).
Há caso de mulheres que alegam infecções nas paredes da vagina devido ao uso de tampões. E produtos absorventes vêm sendo associados ao aumento do risco da Síndrome do Choque Tóxico.
Obs.
O choque tóxico pode ser ocasionado por infecção interna causada por bactéria – e há descrição de óbito por este motivo - como alguns casos de AVC (derrame cerebral) em usuárias de pílulas anticoncepcionais, por isso não faremos da exceção a regra. Prefira absorventes externos e nunca fique mais de duas horas com eles. (http://www.cliquesaude.com.br)
A Germinar comercializa bioabsorventes lindos da Morada da Floresta: www.lojagerminar.com.br


CACHORRO É ASSASSINADO NA PRAÇA DA SÉ
Dia 13, sexta-feira, na Galeria do Rock, São Paulo-SP. Um ativista pede para divulgar para amigos, protetores e pela internet a seguinte declaração:
“Munícipe reclama da conduta do servidor, conforme dados fornecidos:
- Identificação do funcionário: Pimente!
- Relato dos fatos: cita que no dia 10 de novembro, às 10h, o funcionário estava na Praça da Sé, ao lado de uma base desativada da Guarda Municipal Metropolitana, com o veículo de placa GCM 0269. Alega que presenciou o servidor pisar de propósito na cabeça de um cachorro, que pertencia a uma moradora de rua. Acrescenta que após o fato, o animal morreu”. Protocolo OG 014123-2009. Ouvidoria Geral, Prefeitura de São Paulo.
Francisco! Seu protesto está registrado.
O ideal é, no mínimo, exigir que a Prefeitura despeça este desqualificado por justa causa e que a Justiça também cumpra seu papel.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Dias 15 e 18 de novembro: São Paulo e Rio de Janeiro

Mega Bazar Bingante do Quintal de São Francisco
Seu Natal recheado de presentes que fazem a diferença na vida dos animais

15 DE NOVEMBRO, domingo, das 11 às 18 horas
Contará com a presença de várias ONGs parceiras da defesa animal,
vendendo seus maravilhosos produtos institucionais, cuja renda será destinada aos cuidados dos animais abandonados.
Rua Domingos de Moraes, 1.581, das 11 às 18 horas.
Você vai dançar, comer alimento vegetariano e vegano, salgados e doces deliciosos, comprar belos presentes para presentear amigos e familiares.

É necessário comprar o CONVITE antecipadamente para garantir sua participação.
CONVITE – R$20,00
LIGUE e GARANTA seu lugar 11- 2062-8263/2061-6122. 
direito 3(três) cartelas, MOTO, NOTEBOOK e TV LCD 32".
Divulgue e venha se divertir.
COLABORE, os animais agradecem!

2º Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro
Dia 18 de novembro de 2009, às 19h
Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo
Tel. (21) 3131-3060

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Novembro



A classe média e sua "bondade" desqualificada

Uma vez ouvi uma declaração belíssima do Romário: “o Pelé é um poeta quando fica calado”.
O Caetano Veloso é excelente quando canta. Tem voz e repertórios incríveis, mas quando abre a boca... Ele sabe que sua popularidade tem repercussão, principalmente em setores da classe média que procura ficar sempre de joelhos, rezar e, sempre e mais uma vez, repetir até a exaustão (sabe-se lá quando terão outra oportunidade) os depoimentos anti-Lula.
Não sabe a infeliz, o quanto é manipulada, ridicularizada nos bastidores e humilhada por sua ignorância; não tem espírito crítico, porque não tem opinião formada; esquece as privatizações e o desemprego crônico gerados no governo anterior (leia-se Fernando Henrique Cardoso).
Mas ela tem como se redimir: o espírito natalino que clama por suas contribuições cristãs – a classe patética que odeia o bolsa família, copia o refrão que a única classe privilegiada é a “C” e que hoje ela (a “mérdia) vive pior do que no governo anterior – terá a oportunidade de dizer, entre seu(s) funcionário(s) o quanto é boa e o quanto arrecadou para “os pobres, os orfanatos e os asilos”.

"Se dou comida aos pobres, eles me chamam de santo. Se eu pergunto por que os pobres não têm comida, eles me chamam de comunista"
Dom Hélder Câmara


25 de novembro – dia mundial sem carne

No próximo dia 25 de novembro comemora-se o Dia Mundial sem Carne. É uma campanha lançada em 1986 para envolver tanta gente quanto possível num compromisso de rejeitar toda a comida oriunda de violência (carne bovina, suína, de aves, peixes, crustáceos, etc.).
Para esta data, o Instituto Nina Rosa criou a promocão:
- 1 camiseta Ceci est un porc, ce n'est pas une saucisse (Isto é um porco, não é uma salsicha!)
Incluso como brinde um adesivo "Todo Animal é Sagrado".
R$35,00, com frete incluído para qualquer lugar do país.
Adquira já a sua camiseta: http://www.institutoninarosa.org.br/

domingo, 8 de novembro de 2009

Aliado G e Jeosafá: palcos das letras



Neste sábado conheci ao vivo e a cores o Aliado G (Face da Morte). Ele realmente é um gigante na altura e, ao que tudo indica, como pessoa – poeta, músico e político. Estava usando uma camiseta que adoro da Galeria do Rock, em São Paulo: as meninas boazinhas vão para o céu, as outras vão à luta.

JEOSAFÁ – POESIAS NA ESCOLA

EDITORA BIRUTA
Convida para debate de lançamento de
Poesia na Escola
12 receitas do professor Jeosafá

01/12/2009 - A partir das 19h30
LIVRARIA DA VILA
Rua Fradique Coutinho, 915 – Fone: 3814-5811


São 3 livros deliciosos:
12 receitas para séries iniciais do Ensino Fundamental;
12 para as séries finais desse mesmo nível;
12 para o Ensino Médio.

São 36 receitas, um verdadeiro banquete!
Por quê?
Não vivemos tempos fáceis para a poesia, você há de concordar. Por que ela, ao menos no Brasil, ocupa espaços cada vez mais reduzidos nas estantes das livrarias?
A coitada está num miserê tal que, se morresse, seu enterro seria exatamente igual ao daqueles pobres andarilhos que tombam exangues pelas ruas das grandes cidades ou pelas beiradas das rodovias deste país imenso: uma viatura, sem maiores alardes, para não chamar a atenção dos transeuntes, apanharia o corpo serenado e mal coberto pelos andrajos úmidos da noite e o levaria para o lugar nenhum. Ninguém para olhar a cena.
Então é melhor deixar as coisas do jeito que estão, senão podem piorar, não é mesmo? Não, não é.
Ao menos é o que pensa o professor, poeta, contista e romancista Jeosafá Fernandez Gonçalves.
Venha debater com ele suas inusitadas receitas de trabalho com poesia, que têm como principal objetivo o recrutamento de novos leitores para esse gênero cujos adeptos nunca se entregam sem luta e que adotam desde sempre o bordão:
Hasta la Victoria, siempre!
Amplexos do JeosaFÁ (www.amplexosdojeosafa.blogspot.com)
Era uma vez no meu bairro (www.eraumaveznomeubairro.blogspot.com)

sábado, 31 de outubro de 2009

10 anos sem Nise da Silveira. Uma psiquiatra gateira



"Eu poderia ter feito um livro que acentuasse mais as maldades que as pessoas fazem com os animais. Mas a tristeza não acrescenta muito"
Nasceu em Maceió e formou-se na Faculdade de Medicina da Bahia. Era a única aluna, em uma turma com 156 homens. Em 1933, após ser aprovada em um concurso de psiquiatria, começa a trabalhar no Hospital da Praia Vermelha, Rio de Janeiro. Em 1936, em função de uma denúncia por posse de livros marxistas, fica presa durante 18 meses.
Neste período, também estava no mesmo presídio Graciliano Ramos. Nise da Silveira torna-se uma das personagens de Memória do Cárcere.
Mas é no campo na psiquiatria que está a sua revolução. “Quando a psiquiatra Nise da Silveira criou o Serviço de Terapêutica Ocupacional do Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio, em 1946, os maiores avanços da psiquiatria mundial ainda eram a lobotomia, que surgiu durante o salazarismo em Portugal, e o eletrochoque, inventado na Itália fascista”.

Emoção num pedaço de veludo
Trecho de “Gatos, a emoção de lidar”
"Entre 1946-1974 dirigi a seção de terapêutica ocupacional no Centro Psiquiátrico Pedro II. Optei por utilizar como método a terapia ocupacional, método considerado de importância menor e até mesmo subalterno. Contudo, minha intenção era reformá-lo completamente. (...) Para nós faltava-lhe algo, faltava-lhe emoção.
Foi quando certo dia um rapaz freqüentador da Terapia Ocupacional, em vez de entrar numa das salas de trabalhos masculinos preferiu entrar na sala de atividades femininas atraído pelas qualidades latentes que pressentia existirem num pedaço de veludo estendido sobre a mesa da sala. Dirigiu-se à monitora Maria Abdo e perguntou: 'Posso com este pano fazer um gato?' (...)
Completado o gato, Luis Carlos tomou um lápis e escreveu:
'Gato simplesmente angorá do mato
Azul olhos nariz cinza
Gato marrom
Orelha castanho macho
Agora rapidez
Emoção de lidar'

Trecho da entrevista à revista “Época”
Época: Por que sua admiração pelos gatos?
Nise da Silveira: Cultivo muito a independência. Por isso gosto do gato. Muita gente não gosta pela liberdade de que ele precisa para viver. No circo você vê tigre e urso, mas não vê um gato. O gato é altivo, e o ser humano não gosta de quem é altivo.

Época: A senhora foi pioneira no uso de animais no tratamento de doentes mentais, hoje muito mais usado na Europa que no Brasil. A psiquiatria avançou bastante aqui?
Nise: A introdução de animais como co-terapeutas foi o que em minha vida mais me fez sofrer. Fui ridicularizada. De modo que me liguei muito a outros países onde a psiquiatria era mais desenvolvida. Há várias correntes de tratamento, muitas hoje eu nem conheço. Mas não houve um grande avanço. Ainda se confia muito no remédio. Remédio não me parece muito eficiente. Pode ter efeito paliativo, mas não curativo. Confio mais no afeto e na ação curativa da alegria.

Época: A senhora chegou a ser presa como comunista, no Estado Novo. Hoje, como a senhora vê o mundo?
Nise: Felizmente fui presa no tempo do Getúlio. Se fosse no do Médici, eu não estaria aqui falando com vocês. O domínio do capitalismo parece que não está trazendo nada de muito bom. Também o comunismo teve suas grandes falhas, que são da natureza humana.

Época: A senhora ainda acredita em utopias?
Nise: Não. Desejo um mundo socialista, justo, mas não vejo como poderia se realizar. Quem dera o mundo fosse bom, mas não é. O que há, ainda, são pessoas boas, como o Betinho, que lutou até o último momento.

Museu de Imagens do Consciente
História
O Museu de Imagens do Inconsciente teve origem nos ateliês de pintura e de modelagem da Seção de Terapêutica Ocupacional, organizada por Nise da Silveira em 1946, no Centro Psiquiátrico Pedro II. Aconteceu que a produção desses ateliês foi tão abundante e revelou-se de tão grande interesse científico e utilidade no tratamento psiquiátrico que pintura e modelagem assumiram posição peculiar.
http://www.museuimagensdoinconsciente.org.br/


PRECONCEITOS
Algumas coisas esquisitas estão acontecendo, além de morar em uma cidade do porte de São Paulo. Por exemplo: ter um governador do PSDB e um prefeito do DEM”o” é a lama, como diz o bom baiano.
Proibir alguém fumar em bares e restaurantes (já havia lugares próprios para fumantes) parece que despertou o instinto reacionário embutido em toda a província.
O caso na Uniban demonstra que a juventude preconceituosa do local é capaz de gerar outro movimento atrasado: mulheres não podem usar saias curtas; homens não podem sair sem camisa.
Não é a toa que o estado promove rodeios; não tem nenhuma preocupação com o meio ambiente – vide as praias em períodos de temporadas; tem um dos piores índices mundiais em leitura; o maior subserviente dos Estados Unidos nas Américas e Caribe, além de toda Europa – admira de joelhos locais como a Daslu, usa e abusa de palavras como delivery e possui a maior cadeia de lojas do mundo: “Sale”.
Mulheres! Cuidado com as pedras.

domingo, 25 de outubro de 2009

Le Macaron: quem é bom já nasce feito


Minha sogra, dona Maria, tinha entre outras sapiências, a seguinte frase: elogio se faz em público e a crítica em separado.
O Luiz Otávio é especial por tratar funcionários e consumidores com o mesmo carinho e gentileza. Qualidades que, no mundo de hoje, têm todo o diferencial.
O Le Macaron acaba de conquistar o 1º LUGAR NO CONCURSO DE CHEFS DO GUARUJÁ - na 3ª EDIÇÃO DO FESTIVAL GASTRONÔMICO DO GUARUJÁ.
Parabéns ao Luiz Otávio, Camila e equipe.
Le Macaron Patisseria e Cafeteria Ltda
Av. Leomil, 729 - Centro - Guarujá/SP - (13) 3326 6711
Luiz Otávio / Iolanda - lemacaron@gmail.com - www.lemacaron.com.br

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Ativismo e humanismo

Gato Verde – em defesa dos direitos animais
Organizado pela ativista, terapeuta floral e professora Deolinda Eleutério, o portal Gato Verde está repleto de notícias, projetos, manifestações públicas, vídeos, links, petições e informações em defesa dos direitos animais.
Clicando em “serviços”, há uma lista de hotéis, advogados, planos de saúde, aparelhos ortopédicos, palestrantes, entre outros serviços para os animais.
APÓIA e DIVULGA:
Políticas públicas que resolvam o problema da superpopulação de cães e gatos:
Campanhas de Esterilização e Campanhas Educativas
A Posse Responsável de Animais de Estimação
Projetos e Eventos de Doação e Adoção Responsável de Cães e Gatos (vermifugar, vacinar, castrar)
O vegetarianismo ético (VEGANISMO)
Projetos e ações pelos Direitos Animais
Produtos que não fazem testes em animais
LUTA CONTRA:
a vivissecção (utilização de animais vivos para pesquisa e ensino
o uso de animais em testes científicos
indústria de entretenimento - circos, rodeios, zoológicos, farra do boi
caça e pesca de animais
indústria da moda que utiliza peles, couro
indústria da carne, leite, ovos e de outros produtos derivados de animais
comércio de animais de estimação
tráfico de animais silvestres
e qualquer outra forma de exploração animal
http://www.gatoverde.com.br/

NOVA ENQUETE SOBRE TESTES EM ANIMAIS
Se você teve problemas para acessar a enquete, clique no link abaixo:
Você consumiria um produto sabendo que ele foi testado em animais?
http://polls.folha.com.br/poll/0928602/
Vote NÃO, contra a tortura de animais!

CICLO DE ESTUDOS:
Ética animal e argumentação – 24 de outubro, sábado, das 15 às 18h30, gratuito
Animais domesticados: sustentabilidade e alimentação
Sônia Spigolon, protetora de dezenas de gatos
Daniel Fernando de Moura, do Rancho dos Gnomos
Cida Chaves, representante da Fridog, ração vegetariana
Wilson Grassi, veterinário
Cláudio Godoy, tradutor, discute histórico e ética
Local:
Rua Heitor Bariani, nº 291
Próximo ao metrô Tatuapé
Como chegar:
Ao sair do metrô Tatuapé, à direita (saída do Shopping Boulevard pela R. Alm. Calheiros). Seguir reto até atravessar a Av. Celso Garcia (contornar o Banco Itaú), continuar reto na R. Heitor Bariani até o nº 291.
Realização:
Grupo de Estudos de Direitos Animais
11 9564-4568 - Maurício Kanno
11 9753-4498 - Tania Vizachri
grupogeda@gmail.com
http://www.gedasp.org/

HOMENAGEM:
Mercedes Sosa esteve no Brasil, no final da década de 70, ainda sob a ditadura militar. Iria se apresentar no TUCA. Generosa, se propôs a fazer um show para os estudantes, que estavam reconstruindo o DCE Livre da USP. Aboletados no hoje anfiteatro Camargo Guarnieri, nada de som. A reitoria havia cortado a luz do campi da Cidade Universitária. Mas a apresentação ocorreu, graças à ajuda de uma empresa de comunicação que nos ofereceu seu caminhão gerador. A voz de Mercedes, quente e firme, ecoou mensagens de justiça e amor. Sob um céu azul, estudantes subiram em árvores ou sentaram-se no chão. Uma tarde onde a solidariedade se concretizou para nós, solidariedade de uma mulher com voz potente e gestos decididos. Foi nossa tarde socialista. É minha homenagem singela a Mercedes Sosa que pelo canto e pela práxis era uma nossa irmã.
Adriana Gragnani, advogada e fotógrafa (http://www.asgavetas.blogspot.com/)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Minhocário doméstico



Os resíduos orgânicos correspondem a mais da metade do lixo produzido em nossas casas, tais como sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes, sementes e folhas. Você pode reciclar e obter terra fértil e adubo de excelente qualidade.

Você também pode comprar uma composteira em: http://www.moradadafloresta.org
55 11 3735 4085 e-mail: moradadafloresta@gmail.com

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Fraldas ecológicas


Além da vantagem ecológica, o uso das fraldas de algodão é uma solução vegana, uma vez que a maioria das fraldas descartáveis é de marcas que testam em animais ou que usam ingredientes de origem animal. As fraldas descartáveis levam cerca de 450 anos para se decompor e são o terceiro item mais comum no lixo.
A suavidade e o conforto que proporciona o algodão estão bem longe das fraldas de plástico ou descartável. Ela permite uma poupança econômica, pois em média, cada bebê gasta por mês 124 fraldas descartáveis, além de trazer benefícios para a saúde do bebê, livrando-o do contato com a química que contém este tipo de fraldas.
A Germinar fez parceria com a Morada da Floresta. É uma parceria que tem como objetivo poupar o meio ambiente e a saúde de seu bebê. Portanto, não existe lucro em projetos como estes ou similares. O mais importante é conscientizar você, sua família e o conforto e saúde do bebê. Além disso, a natureza super agradece.
Entre nesta campanha e adquira produtos ecológicos: www.moradadafloresta.org ou www.lojagerminar.com.br

domingo, 4 de outubro de 2009

Mercedes Sosa

Eliana ou Ada (http://www.coisasdeada.blogspot.com/): um blog humanista

Há muitas pessoas maravilhosas cuidando de causas de nossos amigos, o blog da Eliana é um deles. Ela é uma protetora e enviou uma matéria bem legal, publicada em Folha OnLine:

USP desenvolve pele artificial para evitar testes com animais
MAURÍCIO KANNO
colaboração para a Folha Online

Um laboratório da USP desenvolveu uma pele artificial que pode substituir testes de cosméticos em animais e ajudar também em sua redução nos testes farmacológicos.
Agora, as pesquisadoras estão em fase de contatos com empresas para viabilizar o financiamento da utilização do modelo desenvolvido, apesar de ele já estar pronto há cerca de um ano.
De acordo com a professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Silvya Stuchi, responsável pela pesquisa, já existem outros modelos de pele artificial sendo utilizados nos Estados Unidos e Europa. No entanto, há dificuldades de transporte e importação, já que é um material vivo e sensível.
Assim, quando há a demanda de não usar animais no Brasil —ou pelo menos usar menos—, o que acaba acontecendo é o envio dos princípios ativos dos cosméticos para testes no exterior. O problema é que a indústria brasileira gasta muito para fazer testes em outros países.
"Desenvolvemos uma estrutura de pele completa, com três elementos", diz Stuchi. "o melanócito, responsável pela pigmentação; o queratinócito, responsável pela proteção; e o fibroblasto, segunda camada", explica ela.

Tendência: sem animais
"A partir deste ano, na Europa, já não há testes em animais para cosméticos, é algo mandatório", afirma a professora Silvia Berlanga, corresponsável pela pesquisa na USP. "É uma tendência mundial."
Para cosméticos como filtro solar e creme antirrugas, a questão fica mais fácil de resolver com a pele artificial e por isso animais já foram totalmente substituídos no continente europeu. Porém, a questão fica mais dificil no que toca à indústria farmacêutica, diz Berlanga. "Os medicamentos podem envolver também ingestão via oral, ou mesmo endovenosa [pelo sangue]", explica ela.
Fármacos envolvem absorção pelo organismo, o que vai além da pele em si. Por isso, neste caso, o que ocorreu foi a redução do uso de animais, já que ao menos certas etapas de testes puderam ser substituídas.

Motivações
O representante da Interniche (International Network for Humane Education) no Brasil, o biólogo e psicólogo Luís Martini, estima que ainda mais de 115 milhões de animais sejam usados por ano no mundo em experimentos e testes.
Uma motivação para a transferência para modelos de laboratório é a própria importância científica de trabalhar com a pele da própria espécie humana, que é específica. "Assim trabalha-se com algo mais fidedigno ao que é real", explica a professora Silvya Stuchi.
Martini esclarece ainda que, devido às diferenças fisiológicas entre as espécies, há "inúmeros casos em que medicamentos que foram desenvolvidos e testados em animais tiveram que ser retirados do mercado por terem causado efeitos adversos severos quando foram utilizados por seres humanos".
Outro motivo é a "ética da experimentação" ao lidar com os animais, como diz Berlanga. "Mesmo que fique mais caro com a pele artificial, é importante reduzir o uso de animais", diz ela.
George Guimarães, presidente do grupo de defesa dos direitos animais Veddas, vai mais além. "Consideramos isso [uso de animais] inaceitável do ponto de vista moral e ético, uma vez que esses animais não escolheram ser usados para servir aos nossos interesses."
O ativista e nutricionista afirma ter levado a Brasília, na época da aprovação da lei Arouca, que regulamentou os experimentos com animais em outubro de 2008, um total de 26 mil assinaturas buscando expor sua visão. Mas diz não ter obtido espaço com os parlamentares, que só recebiam "representantes das instituições científicas".
Martini completa dizendo que "os experimentos em animais causam dor e sofrimento". Assim, "segundo o princípio da igual consideração de interesses semelhantes, deveríamos respeitá-los nos seus direitos básicos que são o direito à vida, à integridade física e à liberdade."

Desenvolvimento
A matéria-prima utilizada para criar a pele é na verdade de doadores humanos mesmo, que fazem cirurgias plásticas --no caso do laboratório da USP, são utilizadas doações do Hospital Universitário. Assim, as células são cultivadas em placa de petri e são formados os tecidos, incluindo a derme e epiderme.
O objetivo original do desenvolvimento da pele, no entanto, que começou há 15 anos, foi para o estudo do melanoma, um tipo grave de câncer de pele.
De lá para cá, a professora Stuchi cita dois marcos importantes. O primeiro foi a parceria com os pesquisadores do Instituto de Pesquisa do Câncer Ludvig, estabelecido no Hospital do Câncer em São Paulo, com quem aprendeu muito o isolamento das células, a partir de 2005.
O segundo marco foi com uma primeira bolsa da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) entre 2007 e 2008, sua temporada como pesquisadora visitante na Universidade de Michigan, EUA. Lá adquiriu diversos tipos de tecidos de pele humana e pôde fazer testes com eles no Brasil, obtendo realmente o conhecimento sobre como fazer a estrutura da pele.
Em 2009, o projeto de pesquisa na USP obteve nova verba da Fapesp, por meio do qual, aprimoramentos no modelo de pele estão sendo realizados.
_______________________________________________________
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u631911.shtml

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Segunda-feira sem carne

Na Bélgica foi lançado o “dia sem carne”. O ex-Beatle Paul McCartney convocou a “segunda-feira sem carne” e a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) acompanhou a tendência internacional.
Dias 3 e 4 de outubro, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo-SP, a campanha será lançada.

Programação:

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO DA CAMPANHA

Sábado (3 de outubro)



10h30: Aula de ioga com a professora Ana Cristina Ferreira, da escola Prema Yoga;

12h: Lançamento oficial da “Segunda sem Carne”, com passeio por exposição interativa que traz receitas culinárias, desenhos e informações sobre o consumo de carne;

12h, 14h e 16h: Oficinas para crianças sobre alimentação;

13h: Projeção do documentário “Home”, dirigido pelo fotógrafo Yann Arthus-Bertrand e
produzido pelo cineasta Luc Besson. Mostra imagens aéreas da terra com um discurso sobre mudanças climáticas;

13h às 18h: Demonstrações culinárias de chefs. É preciso retirar o ingresso com meia hora de antecedência;

16h10: Palestra “Alimentação e meio ambiente – Os impactos da pesca predatória, pecuária na Amazônia e introdução dos transgênicos na agropecuária”, com Rafael Cruz, do Greenpeace

16h40: Exibição do filme “A carne é fraca”, do Instituto Nina Rosa. Trata do impacto do consumo de carne para a saúde e para a natureza. Há ainda um debate com a ativista Nina Rosa.


Domingo (4 de outubro)

10h30: Ioga com o professor Orlando Alves, do Instituto Superior de Estudos do Shaivismo;

12h, 14h e 16h: Oficinas para crianças sobre alimentação

12h: Exibição do filme “Nação fast food”, adaptação do livro de Eric Schlosser. Aborda os males causados pela indústria do fast food;

13h às 18h: Demonstrações culinárias de chefs. É preciso retirar o ingresso com meia hora de antecedência;

13h20: Palestra com a socióloga Marly Winckler, presidente da
Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB);

14h50: Projeção do filme “Meat the Truth”, sobre como a pecuária contribuiu para o aquecimento global;

15h: Palestra com Ana Ceregatti, nutricionista e integrante da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB);

15h30: Exibição do longa-metragem “Como salvar o mundo”, que conta a história de um octogenário apaixonado por agricultura;

17h50: “Alimentação saudável – Maravilhoso mundo de sabores, cores e diversidade”, palestra com a chef Tatiana Cardoso, do restaurante vegetariano Moinho de Pedra.

domingo, 27 de setembro de 2009

Hippies? Livrem-nos de vocês, seus FDPs



Na internet correm diversos abaixo-assinados sobre a matança de baleias na Dinamarca. Alguns insistem que são golfinhos. Realmente, matança é matança.
Os assassinos não estão incomodados com as espécies. Assassinos são assassinos natos. E pronto. Alguns dizem e insistem na tese que “animais” não-humanos “não têm memória, sentimentos”... Pobres humanos!
O abaixo-assinado contra os assassinatos na Dinamarca estão em: (http://www.petitiononline.com/Dolphend/petition.html)
Agora, caminhar em praias do Brasil ou na cidade de São Paulo e ver penas de pássaros em formato de brincos também são motivos de protestos. Não comprar destes falsários é um bom caminho.
São jovens que vendem brincos com penas de araras, papagaios, maritacas.... Caso alguém pergunte o motivo: os hippies não matam; colhemos de pássaros de estradas; vendemos para matar a fome; e não matamos (quais hippies, imbecis? Hippies não existem mais e vocês não passam de assassinos).
Mentira! Além de não existirem mais, os hippies eram vegetarianos em sua maioria e nunca e em tempo algum colocariam “adereços ou venderiam” qualquer “mercadoria” advinda de animais.
Parem com esta farsa. Não passam de assassinos baratos, vazios e sem nenhum causa. São apenas hipócritas.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Cangurus ou slings: bebês junto ao corpo

Caminhada Nacional de Incentivo ao Sling
Data: 26/9/09, às 16h
Endereço: Rua Senador Souza Naves, 2.380 Londrina-PR
O sling é usado para transportar o bebê junto ao corpo, sustentado através de uma faixa, muito comum em diversas culturas.

O sling permite a conexão mamãe-bebê, o que favorece o desenvolvimento emocional do bebê, além de facilitar a vida da mãe em suas tarefas diárias.
Esse meio de carregar seu bebê estabelece uma excelente comunicação com a criança desde o início da vida, sendo um meio mais relaxado para vivenciar a relação pai/mãe/bebê. Mãe/pai calmo é bebê calmo também. É um bebê menos incomodado, que chora menos, que tem menos cólica, que dorme melhor à noite...
Ao “vestir” sua criança você estará compartilhando seu calor, o ritmo de sua respiração, o som de sua voz, o cheiro. Isso significa que você estará mais receptiva às necessidades dessa criança, estabelecendo uma melhor comunicação com ela.
Ao transportá-la dessa maneira, e mais ainda na posição vertical, você estará prevenindo a regurgitação e reduzindo a formação das cólicas, favorecendo a digestão.
O sling também é vantajoso quando a criança começa sentar, pois permite o novo movimento, matendo as perninhas juntas, não forçando a se manter abertas, numa fase em que as articulações do quadril ainda estão se formando.
O sling acomoda adequadamente o peso da criança pelos ombros e costas. Permitindo que os pais “slinguem” seus bebês por mais tempo sem se cansar.
O sling permite que os bebês tenham a mesma visão que o adulto, no mesmo nível de altura, nas atividades desenvolvidas. Isso os deixa mais seguros e permite que eles observem de uma forma harmônica tudo e todos. Bebês “slingados” são muito sociais e calmos.

Informações sobre os eventos: http://babywearingbrasil.org/

Ação animal: Antitouradas

sábado, 19 de setembro de 2009

EXPOSIÇÃO: A CUECA – Rua Frei Caneca, 1057 – Consolação, São Paulo-SP, até 20 de outubro, segunda à sexta, das 10h às 18h


AMARANTO


Texto indicado por Luiz Otávio, chef pâtissier e sócio-proprietário do Le Macaron Café

Fonte de minerais – rico em fibras e proteínas – contém aminoácidos essenciais
Um alimento completo


A novidade em grãos saudáveis é o amaranto, uma semente pertencente à família Amaranthaceae, originário da região dos Andes. Cultivado na antiguidade por maias, astecas e incas, atualmente foi reconhecido nutricionalmente por sua composição protéica e por seus aminoácidos singulares pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.
Poucos alimentos de origem vegetal contêm proteínas completas em sua composição de aminoácidos e por este perfil nutricional o amaranto – assim como a quinoa – foi selecionado pela NASA para fazer parte da alimentação da tripulação em missões espaciais. Possui 27% das necessidades diárias de proteínas em 100g de flocos, porém sua importância reside não apenas na quantidade, mas na qualidade protéica e no excelente balanço de aminoácidos, essenciais em uma dieta equilibrada para pessoas de todas as idades.
O amaranto em flocos é o grão integral laminado, rico em fibras e minerais como ferro, magnésio, fósforo, zinco, manganês e selênio. Também é fonte de vitaminas e cálcio, com 15% da ingestão diária recomendada pelo Ministério da Saúde em 100g de produto.
Esse grão tem como característica a ausência de glúten, o que o torna uma opção saudável para pessoas que não querem ou possuem intolerância a esta proteína (celíacos).
É muito nutritivo e de fácil preparo. Os flocos estão prontos para serem consumidos e podem ser adicionados no café da manhã, acompanhando frutas, cereais e iogurtes. Seu uso é adequado para o consumo diário também na forma de sopas, mingaus ou batido como shakes e sucos.

SUCO DE LARANJA E MAÇÃ COM AMARANTO
Ingredientes:
1 copo de suco de laranja
¼ de maçã verde orgânica com casca
1 colher (sopa) de Amaranto Orgânico em flocos
Adoce a gosto e adicione gelo a vontade.
Modo de preparo: bata no liquidificador por 2 minutos e sirva. Dica: se preferir utilize 2 fatias de manga substituindo as maçãs.

Le Macaron Café
Av. Leomil, 729 - Centro - Guarujá/SP - (13) 3326 6711
Luiz Otávio / Iolanda

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

video

1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida.
2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem.
3 - Nenhum animal deve ser maltratado.
4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.
5 - O animal que o homem escolher para companheiro não deve ser nunca ser abandonado.
6 - Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.
7 - Todo ato que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.
8 - A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimescontra os animais.
9 - Os diretos dos animais devem ser defendidos por lei.
10 - O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender os animais.

Preâmbulo:
Considerando que todo o animal possui direitos;
Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos têm levado e continuam a levar o homem a cometer crimes contra os animais e contra a natureza;
Considerando que o reconhecimento pela espécie humana do direito à existência das outras espécies animais constitui o fundamento da coexistência das outras espécies no mundo;
Considerando que os genocídios são perpetrados pelo homem e há o perigo de continuar a perpetrar outros;
Considerando que o respeito dos homens pelos animais está ligado ao respeito dos homens pelo seu semelhante;
Considerando que a educação deve ensinar desde a infância a observar, a compreender, a respeitar e a amar os animais,

Proclama-se o seguinte
Artigo 1º 
Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.
Artigo 2º 
1.Todo o animal tem o direito a ser respeitado.
2.O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais
3.Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à proteção do homem. 
Artigo 3º 
1.Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a atos cruéis. 2.Se for necessário matar um animal, ele deve de ser morto instantaneamente, sem dor e de modo a não provocar-lhe angústia. 
Artigo 4º 
1.Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de se reproduzir.
2.toda a privação de liberdade, mesmo que tenha fins educativos, é contrária a este direito. 
Artigo 5º 
1.Todo o animal pertencente a uma espécie que viva tradicionalmente no meio ambiente do homem tem o direito de viver e de crescer ao ritmo e nas condições de vida e de liberdade que são próprias da sua espécie.
2.Toda a modificação deste ritmo ou destas condições que forem impostas pelo homem com fins mercantis é contrária a este direito. 
Artigo 6º 
1.Todo o animal que o homem escolheu para seu companheiro tem direito a uma duração de vida conforme a sua longevidade natural. 
2.O abandono de um animal é um ato cruel e degradante. 
Artigo 7º 
Todo o animal de trabalho tem direito a uma limitação razoável de duração e de intensidade de trabalho, a uma alimentação reparadora e ao repouso.
Artigo 8º 
1.A experimentação animal que implique sofrimento físico ou psicológico é incompatível com os direitos do animal, quer se trate de uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer que seja a forma de experimentação.
2.As técnicas de substituição devem de ser utilizadas e desenvolvidas. 
Artigo 9º 
Quando o animal é criado para alimentação, ele deve de ser alimentado, alojado, transportado e morto sem que disso resulte para ele nem ansiedade nem dor.
Artigo 10º 
1.Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem. 
2.As exibições de animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal. 
Artigo 11º 
Todo o ato que implique a morte de um animal sem necessidade é um biocídio, isto é um crime contra a vida.
Artigo 12º 
1.Todo o ato que implique a morte de grande um número de animais selvagens é um genocídio, isto é, um crime contra a espécie.
2.A poluição e a destruição do ambiente natural conduzem ao genocídio. 
Artigo 13º 
1.O animal morto deve de ser tratado com respeito.
2.As cenas de violência de que os animais são vítimas devem de ser interditas no cinema e na televisão, salvo se elas tiverem por fim demonstrar um atentado aos direitos do animal. 
Artigo 14º 
1.Os organismos de proteção e de salvaguarda dos animais devem estar representados a nível governamental.
2.Os direitos do animal devem ser defendidos pela lei como os direitos do homem.

Proclamada em assembléia, pela UNESCO, em Bruxelas, no dia 27 de janeiro de 1978


SONETO DO GATO MORTO


Um gato vivo é qualquer coisa linda
Nada existe com mais serenidade
Mesmo parado ele caminha ainda
As selvas sinuosas da saudade

De ter sido feroz. À sua vinda
Altas correntes de eletricidade
Rompem do ar as lâminas em cinza
Numa silenciosa tempestade.

Por isso ele está sempre a rir de cada
Um de nós, e ao morrer perde o veludo
Fica torpe, ao avesso, opaco, torto

Acaba, é o antigato; porque nada
Nada parece mais com o fim de tudo
Que um gato morto.


De: MORAES, Vinícius de. Nova antologia poética. Org. por Antonio Cicero e Eucanaã Ferraz. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2008.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Ecológico até na hora da morte

Centenas ou milhares de produtos desenvolvidos com papel, garrafa, entre outros reciclados, estão à disposição no mercado. Bolsas, sapatos, roupas, cadernos – encontramos quase tudo do que precisamos e até coisinhas, aparentemente, inúteis.
Levar uma sacola para o mercado ou feira virou sinônimo de bom-senso; é possível construir uma casa utilizando reciclados.
Mas caso queira fazer uma reforma ecológica, não deixe de escrever para este blog. Vou sugerir o local onde você NÃO deve procurar.

Caixão feito com papel reciclado

É fúnebre mesmo! A empresa fica no Reino Unido. “Projeto revolucionário e bonito, os caixões reúnem habilidades artesanais com estilo, elegância e respeito ao meio ambiente”. O Ecopod é adequado para cremação ou sepultamento em zonas arborizadas ou cemitérios tradicionais, e biodegrada naturalmente ao longo do tempo quando é enterrado no chão”. Eles são feitos com papel reciclado.
http://www.ecopod.co.uk/

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Vaquejada: data “comemorativa” da crueldade

13/12 - Dia Nacional da Vaquejada - PL 2655/07, da ex-deputada Jusmari Oliveira
(entre outras datas)
“A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou, nas duas últimas semanas, 60 projetos de lei que instituem novas datas comemorativas no calendário oficial brasileiro. As propostas são de autoria da Câmara e do Senado, e tramitam em caráter conclusivo” (http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=139293)

Leia matérias sobre esta prática cruel em: http://conscienciaefervescente.blogspot.com/

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Guarujá: praias lindas e o melhor café da baixada


Pitangueiras, uma das praias do Guarujá, é lindíssima e com águas cristalinas. Óbvio que é nesta época do ano. A prefeita poderia pedir para distribuir panfletos de educação ambiental em temporadas.
É lamentável como os não-nativos sujam as praias com plásticos, latas, entre outras nojeiras; além dos vândalos com maus-gostos musicais e businas lamentáveis. No Guarujá poderia ter uma placa: cidade ecológica ou santuário ecológico.
Pitangueiras é a praia central e oferece um pouco de tudo, mas alguns lugares são meio imbatíveis: o Barril, no final da rua Rio de Janeiro é a melhor pizza, a melhor caipirósca e o melhor chope. A decoração é deslumbrante. Gostaria de acreditar que a Denise e o Ricardo vão dar um jeitinho, bem brasileiro, de fechar os vidros da entrada principal e deixar os fumantes à vontade. É só utilizar a entrada lateral para os não-fumantes.
O “pai” da lei que proíbe fumar cigarro, quando foi ministro da “saúde”, matou muitas pessoas de dengue no Rio de Janeiro. Aos assassinos e nazi-fascistas cabe ao povo e à história enterrarem.
Vamos voltar à vida:
- Le Macaron Patisseria e Cafeteria Ltda
Av. Leomil, 729 - Centro - Guarujá/SP - (13) 3326 6711
Luiz Otávio / Iolanda
http://www.lemacaron.com.br/index2.html
O Luiz é a gentileza em pessoa e tem um sorriso imbatível – é o “chéf” – faz doces e salgados maravilhosos.
A Iolanda é ótima: atenciosa, generosa e tira um café maravilhoso.
Clima gostoso e tudo de bom. Sou apaixonada por um bom café e, no Le Macaron, com certeza, é o melhor da baixada santista.
O Luiz enviou esta receita exclusiva para o blog. Espero que gostem.

Biscoito de Café

Ingredientes
• 200g de margarina sem sal picada em temperatura ambiente
• 01 xícara de açúcar de confeiteiro
• 03 colheres (sopa) de café solúvel
• 02 xícaras (chá) de farinha de trigo
• 01 colher (chá) de essência de baunilha
• 01 colher (sopa) de água
• 01 pitada de sal

Modo de preparar:

Na tigela grande da batedeira coloque a margarina, o açúcar e o sal. Bata bem e coloque a baunilha. Vá acrescentando a farinha e o pó de café solúvel peneirados, aos poucos, sem parar de bater, a ter obter uma mistura homogênea e firme. Com o auxílio de uma colher de café, faça bolinhas e as distribua em assadeira, sem untar. Asse em forno pré-aquecido (150ºC), por aproximadamente 15 a 20 minutos. Desenforme os biscoitos e deixe esfriar.

Cobertura

Derreta 200g de chocolate branco picado em banho-maria, coloque num saco de confeitar e decore os biscoitos.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Fonte para economizar tinta de impressora

Todos os dias gastamos muitos papéis fazendo os nossos impressos. Além disso, gastamos também muita tinta e, segundo a SPRANQ agência de comunicação (Utrecht, Holanda), parcialmente sem necessidade. Por isso, a SPRANQ criou uma fonte nova: a Ecofont.

Uma idéia boa é sempre fácil: olhando a forma de uma letra, em quanto podemos reduzí-la sem que fique ilegível? Uma pesquisa testou vários formatos e teve o seguinte resultado: tirar círculos pequenos. Assim foi possível criar uma fonte que economiza 20% em tinta. A Ecofont pode ser baixada e usada gratuitamente.

http://www.ecofont.eu/baixar_pt.html
Divulgação: http://www.institutoninarosa.org.br/

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Falsos hippies e penas que já não podem voar

Particularmente acho que os pássaros representam o máximo da liberdade: caminham por terra e areias – alguns não caminham, pulam; outros mergulham e sabe-se lá o que fazem; outros nadam ou deslizam sobre as águas; outros viajam além mar; poucos não possuem grandes vôos, mas voam.
Este voar dos pássaros, maneiras de cantar, assoviar e falar são “fetiches” para os medíocres – aprisionam o símbolo da liberdade.
Colocaram a liberdade na gaiola e alguns artesãos proclamando falta de comida no planeta, também passaram a vender brincos com suas penas; o carnaval no Brasil é um verdadeiro massacre de fantasias com estes “adereços”.
Como na “época da maldade acho que a gente” já “tinha nascido” (o Chico Buarque é o máximo) é preciso abrir as gaiolas e dar vida para aqueles que sabem voar. Nós, os animais humanos, precisamos apre(e)nder com os pássaros.
E, por falar em liberdade, segue uma matéria que adorei:


Woodstock e o triunfo do indivíduo
Carlos Pompe*
Foi há 40 anos. De 15 a 17 de agosto de 1969 ocorreu o Festival de Woodstock. Um encontro de rock and roll movido a muitas drogas, que se transformou num ato em defesa do amor livre, da paz e contra o alistamento militar obrigatório que obrigava jovens estadunidenses a lutarem no Vietnã.
Numa fazenda despreparada para a grandiosidade que o encontro alcançou, 31 atrações musicais foram apresentadas, incluindo o guitarrista Jimi Hendrix e as cantoras Janis Joplin e Joan Baez – esta, grávida de seis meses e com o pai da criança preso, por ter se recusado a ir matar vietnamitas na Ásia.

Woodstock foi um projeto comercial que fugiu totalmente do controle de seus idealizadores, Michael Lang, John P. Roberts, Joel Rosenman e Artie Kornfeld. Planejavam um espetáculo ao ar livre, sem nenhum outro intuito que o retorno financeiro, e que atrairia umas 200 mil pessoas.

Foram surpreendidos por mais de 500 mil jovens que derrubaram as cercas da fazenda,tornaram o show gratuito e forçaram a que o governo improvisasse uma enorme infraestrutura para garantir-lhes alimentação e atendimento médico e sanitário. Prudentemente, as autoridades liberaram as drogas. Surrealmente, a comunidade conservadora de proprietários agrícolas woodstockiana ficou feliz em constatar que a garotada era boa gente e – pasmada – que não foram registrados furtos ou violências durante os “três dias de paz e amor”, como ficaram conhecidos quando lançados os discos e o filme (hoje CDs e DVD) que documentam o episódio.

As únicas fatalidades foram uma morte devido a uma provável overdose de heroína e outra decorrente de um atropelamento por trator, além de quatro abortos. Por outro lado, dois nascimentos ocorreram, um dentro de um carro no congestionamento e outro em um helicóptero.

Canções e discursos falaram contra a guerra do Vietnã. Artistas ainda desconhecidos do grande público mundial conquistaram renome e até hoje estão presentes no cancioneiro popular, como Carlos Santana e Joe Cocker – que com sua interpretação deu novo sentido e roupagem completamente nova para With a Little Help from My Friends (Com uma pequena ajuda de meus amigos), de Lennon e McCartney. O beatle George Harrison estava lá, mas não se apresentou.

A interpretação de Jimi Hendrix da Star Spangled Banner, o hino nacional norte-americano, simulando tiros de metralhadora e bombas caindo, tornou-se marco do rock instrumental. Joplin apresentou sua versão imortal de Summertime. No ano seguinte, ambos com 27 anos, morreriam (ele, em setembro; ela, em outubro) em virtude do abuso de drogas. Ou, como conta o historiador Eric Hobsbawn, “caíram vítimas de um estilo de vida fadado à morte precoce”.

Os três dias de música, drogas e defesa da paz se tornaram símbolo da época. Organizadores e público não tinham objetivos políticos claros e definidos – alguns artistas, sim; a maioria dos que se apresentaram, não. Mas o sentimento pacifista se fez presente e se fez marca do evento. Não se tratava de uma contestação ao modo de vida americano, mas um desejo de que esse modo de vida fosse possível sem guerras de conquista, sem agressão aos outros povos, sem corrida armamentista. A liberdade e liberalidade sexual assumiam a forma de protesto contra o Estado, a família, o convencionalismo. “Quando penso em revolução, quero fazer amor” era uma das palavras de ordem daqueles jovens. Como observou Hobsbawn, o anarquismo de Bakunin ou Kropotkin correspondiam muito mais de perto às idéias da maioria daqueles rebeldes, com sua pregação espontânea, não organizada, antiautoritária e libertária. Não havia um projeto solidário ou social, mas o triunfo do indivíduo – de milhões de indivíduos – sobre a sociedade.

Muitos daqueles jovens embarcaram e fizeram o movimento hippie. Como afirmou outro beatle, Ringo Starr, já no final do século passado, “alguns hippies ainda estão por aí, mas aquilo acabou”.
http://vermelho.org.br/vermelho.htm
Veja: The Star-Spangled Banner - Jimi Hendrix (High Quality)

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Globo: tudo por dinheiro



O gesto, além de promover a crueldade em rede nacional, feriu o Art. 32 da Lei dos Crimes Ambientais (N° 9.605/1998) que proíbe o abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos – uma lei que sofre do mesmo mal que muitas outras: a impunidade!
Leia a matéria em: http://vista-se.com.br/site/

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

COPAÍBA – BÁLSAMO DA VIDA

Uso sustentável


Seu uso tão difundido o torna o remédio mais usado e conhecido por indígenas e ribeirinhos da região amazônica. Utilizado como diurético, laxativo, antitetânico, antirreumático, antisséptico do aparelho urinário, anti-inflamatório, antitussígeno (contra a tosse), cicatrizante e remédio para o combate ao câncer.

Teste feito com pacientes do Instituto Nacional do Câncer (Inca)
O departamento de Produtos Naturais começou o trabalho com plantas medicinais por três anos até que em 1998 os pesquisadores chegaram a um creme vaginal à base de óleo de copaíba. Na Amazônia, é comum usar o óleo como cicatrizante e para herpes labial, o que chamou a atenção dos cientistas da Fiocruz: o vírus assemelha-se ao HPV. Leia mais em: http://www.redetec.org.br/inventabrasil/copaiba.htm

A Germinar revende o sabonete e o óleo de copaíba (100% vegetal): http://www.lojagerminar.com.br

segunda-feira, 27 de julho de 2009

COMIDA VIVA E SEUS EFEITOS

Prato do dia: verduras, legumes, frutas e sementes germinadas. É a comida viva!
"Eu tomava remédio para pressão e não tomo mais. Emagreci dez quilos com uma alimentação natural que qualquer um pode fazer em casa", conta o aposentado Orlando Asse dos Santos.
Não é milagre. É o resultado da orientação médica, que seu Orlando recebeu em um posto de saúde de Campos do Jordão, em São Paulo. Tudo de graça, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Foi com o médico Alberto Gonzalez, pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que ele e muitos outros pacientes começaram a aprender que comida é remédio.
"Há influências bastante claras na obesidade, na constipação, na inflamação crônica, na dislipidemia – que é o desequilíbrio do colesterol –, nas doenças gastrointestinais e respiratórias e no diabetes", aponta Alberto Gonzalez.
Mas, afinal, o que é comida viva? A receita é simples: nada pode ser cozido, frito ou assado. Os alimentos são de origem vegetal. E para começar bem o dia, um suco poderoso.
Se uma pessoa que não tem uma doença diagnosticada nem se sente mal resolver experimentar esse alimento vivo, que resultados vai sentir?
"É muito importante que eu, me apresentando como médico, diga que alimento vivo é bom para quem está doente, mas o alimento vivo é uma alimentação para quem está sadio e quer se manter sadio", esclarece Alberto Gonzalez.
Decidi experimentar. Em dez dias, que resultados eu veria?
"Em dez dias, vai haver uma grande liberação de água do seu corpo. Muita água retida vai ser eliminada. Você também vai notar mudanças no âmbito da digestão e da disposição, principalmente após as refeições, Você vai se sentir muito bem disposto", adiantou Alberto Gonzalez.
Doutor Alberto troca o jaleco pelo avental. Hora de arregaçar as mangas e mostrar como se prepara o suco. "O grande equipamento é um liquidificador. Depois de tudo lavado, você começa a fazer o suco. Primeiro, picota o pepino. O pepino vai para perto da hélice, porque ele é um grande gerador de água. Aí vem a maçã. Vamos extrair a água do pepino, da maçã e das verduras orgânicas disponíveis com uma cenoura. E, finalmente, as sementes de girassol germinadas. Você pode usar só trigo, girassol, quinoa, gergelim, amêndoa. O ideal é a semente germinada”, ensina Alberto Gonzalez.
Este é o grande segredo da comida viva: grãos germinados. E se você já está se perguntando como vai fazer para conseguir essas sementes, não se preocupe.
"Em seguida, coamos. Fica uma massa consistente. É um coador de voal, que qualquer um pode ter. As pessoas com mais recursos usam uma centrífuga. É o café da manhã. É bom que seja um copo grande. Tem pão, manteiga, café e leite, só que em forma natural, viva e repleta de nutrientes vivos", ressalta Alberto Gonzalez.
Não é um suco ralinho, parece um leite ou algo muito cremoso. É em um casarão que doutor Alberto Gonzalez ensina receitas de alimentos vivos. Alguns pacientes são encaminhados para o local e aprendem que, além do suco, podem fazer pratos coloridos e saudáveis, como a caldeirada de frutos do mato.
Legumes ralados, picadinhos. Basta prensar os alimentos, uma técnica feita com as mãos, para controlar a temperatura da panela. Afinal, nos chamados alimentos vivos, legumes e verduras não podem ser cozidos.
"Se começar a queimar as mãos, tem que desligar. Se não queimar a mão, não vai queimar os alimentos também", explica uma funcionária do hospital.
“A carne é uma questão de herança cultural. Eu não vou chegar em uma aldeia de pescadores e dizer: parem de comer peixe. Comam o peixe, mas incluam na sua vida os alimentos que vêm da mãe terra. Porque eles vêm com a informação que você precisa", diz Alberto Gonzalez.
"Não posso dizer que sou vegetariano. Uma vez por mês eu não recuso um churrasquinho, mas também não sou escravo da alimentação. Como tudo que eu gosto, com uma certa regra", conta seu Orlando.
"Sempre digo que tudo que é verde faz bem para o que é vermelho. Quem está com doença cardiovascular volte-se para o reino vegetal. Alimente-se de tudo que é verde possível que a recuperação cardiovascular vem a reboque", aconselha Alberto Gonzalez.
Em casa, seu Orlando segue a orientação diariamente e faz questão de plantar suas verduras: "Eu aproveito qualquer cantinho. Uma jardineirinha da loja de R$ 1,99, um pouquinho de terra e brota um trigo bonito".
A grama de trigo usada no suco nasce de sementes comuns compradas no supermercado e simplesmente jogadas por seu Orlando na terra. "Todos os espaços, o quintal do vizinho, por exemplo, eu coloquei trigo há 15 dias e já está nascendo. Temos couve e outras hortaliças espalhadas no meio da vegetação. Uso de sete a oito qualidades para fazer o suco por dia", conta.
Será que é mesmo tão fácil assim? Nos dez dias em que testamos o suco também experimentamos a preparação dele, até em cozinhas de hotel. Se eu consegui, qualquer um consegue.
Mas, antes, é bom lembrar: estávamos no restaurante de um hotel na cidade turística de Campos do Jordão, e as tentações estavam servidas. Eram 9h. Eu jantei no dia anterior, às 20h30. Ou seja, havia mais de 12 horas. O estômago já estava reclamando. A mesa do café da manhã era farta. Em vez de optar por tudo o que eu normalmente comeria, fiquei só com as frutas e o suco verde.
Logo pegamos a estrada. Acompanhamos doutor Alberto Gonzalez até a casa de um paciente. A viola dá o tom. O lavrador Benedito Vicente da Rosa leva uma vida simples. Mora com a mulher no alto de uma colina, em um lugar onde não tem luz elétrica. Mas sobram ar puro e produtos tirados da terra sem agrotóxicos. Faltava saber como aproveitar todos os seus nutrientes. Foi o que seu Benedito aprendeu nas consultas pelo SUS. Visitas periódicas fazem parte do Programa de Saúde da Família.
Há um ano, o lavrador mal conseguia ir ao posto de saúde, por causa de uma trombose na perna esquerda, uma ferida enorme não cicatrizava.
"Estava muito machucado, era uma ferida só. Tinha um roxo que parecia uma lesão só. Tomei o suco e fechou tudinho, foi uma beleza. Eu já estava até desenganado", comemora o lavrador.
Doutor Alberto Gonzalez explica: "Os vasos da perna dele não chegavam até a intimidade do tecido, por conta do problema vascular. O suco promoveu o fenômeno denominado neovascularização, de crescer novos capilares onde não tinha".
Mas o médico alerta: "Se você está usando remédios e quer mudar para o suco, consulte um profissional médico. A pessoa que tem um problema grave de pressão arterial ou problema grave de perfusão sanguínea do próprio coração não pode parar de tomar o remédio. Eu trabalho usando remédios e o suco. Os remédios vão sendo tirados à medida que os resultados com o suco vão aparecendo. E isso depende da adesão do paciente".
Seu Benedito se empenhou de verdade para ver o resultado. Afinal, o que já seria difícil na cidade grande poderia até ser impossível para quem vive sem energia elétrica – sem um liquidificador.
"Tentei socar no pilão, mas espirrou muito. Tive que inventar outro modo. Daí, foi no ralador. Achei que foi importante", diz seu Benedito, que colhe os ingredientes, rala e espreme tudo com as mãos. "É um verdadeiro remédio. A perna sarou que é uma beleza! Não tem mais nada, está forte. Já estou imaginando até jogar bola. Eu gostava muito de jogar bola. Fazer isso todo dia é difícil, mas sem esforço ninguém consegue nada".
A germinação dos grãos é que dá força ao alimento, potencializa os nutrientes. É o que garante a mais antiga pesquisadora da comida viva no Brasil, a designer e professora Ana Branco, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). A primeira semente foi ela que plantou. Há 15 anos, Ana Branco reúne conhecimentos que ela passa adiante.
Preste atenção: é o passo-a-passo para você também aprender a germinar as sementes na sua casa.
"Colocamos a semente de girassol de molho na água. Vamos dormir e a semente vai acordar. São oito horas de molho na água. É o tempo de dormirmos e ela acordar. Na manhã do dia seguinte, jogamos a água fora e deixamos escorrendo em algum apoio por mais oito horas. Depois de oito horas de molho na água e oito horas no ar, é só darmos uma lavadinha antes de consumirmos. Podemos olhar o que aconteceu com a semente germinada. Dá para ver o narizinho que está nascendo. Nesse ponto, podemos consumir. Assim, comemos a energia vital contida nela. E ficamos forte que nem ela", diz Ana Branco.
Para ela, uma filosofia de vida que germinou e deu frutos. Muitos já aprenderam os segredos da alimentação viva em cursos e em uma feira na PUC-RJ.
"Nós começamos com o suco quando eu estava grávida da minha terceira filha. Meu marido faz o suco, fazemos para a família toda. Isso já acontece há três anos", conta a professora Rosana Cunha Pinto. "O grande barato é chamar as crianças para fazerem junto com você. Pede para uma pegar uma maçã, pede para outra segurar uma hortelã. E assim a gente vai cortando e preparando o alimento junto".
Eu bebi suco durante dez dias. E não foi difícil, mesmo fora de casa, dormindo em hotéis, comendo em restaurantes. Logo no primeiro dia, eu fiz exames de sangue que mostraram que a minha saúde vai muito bem. Taxas como colesterol e glicose, por exemplo, estão ótimas. E, por causa disso, eu resolvi não mudar mais nada na minha alimentação. No almoço e no jantar, continuei comendo o que estou acostumado e gosto: arroz, feijão, carne.
Mesmo assim, substituindo só café da manhã, o suco fez efeito. Perdi 2,1 quilos. Eu também senti outras mudanças que não podem ser medidas. A primeira: comecei a sentir menos fome nos últimos dias. E a segunda: mudança no apetite. Já não tenho tido mais tanta vontade de comidas pesadas. Pode ser resultado do suco.

SUCO DE LUZ DO SOL

Cortar uma maçã em pedaços pequenos e tirar as sementes. Colocar no liquidificador. Usar um pepino como socador para auxiliar a extrair o líqüido que mora dentro das hortaliças. Acrescentar os grãos germinados*, as folhas verdes comestíveis, o legume e a raiz escolhida na proporção indicada, variando as hortaliças sempre que possível e privilegiando as de produção orgânica. Coar em um pano e beber logo em seguida.

Legumes e raízes: cenoura, abóbora, maxixe, batata-doce, inhame, quiabo, couve-flor, abobrinha, nabo, beterraba.

*Como germinar grãos

1 – Colocar de uma a três colheres de sopa de grãos em um vidro e cobrir com água limpa.

2 – Deixar de molho por uma noite (8 horas).

3 – Cobrir o vidro com filó e prender com elástico. Despejar a água e enxaguar bem sob a torneira.

4 – Colocar o vidro inclinado em um escorredor em um lugar sombreado e fresco.

5 – Enxaguar pela manhã e à noite. Nos dias quentes, é preciso lavar mais vezes. Os grãos iniciam sua germinação em períodos variáveis. Em geral, estão com sua potência máxima logo que sinalizam, o processo do nascimento, quando ficam prontos para serem consumidos.

Sugestões de sementes:

Todas as sementes comestíveis, tanto pelo homem como pelos pássaros: girassol, painço, niger, colza, aveia, trigo, linhaça, arroz, soja, centeio, gergelim, grão-de-bico, amendoim, lentilha, nozes, castanha-do-pará, amêndoas, ervilha, feno-grego etc.

Receita:
Ana Branco, designer e professora da PUC-RJ
Reportagem: Ismar Madeira (Campos do Jordão, São Paulo)

Assista as dicas da professora Ana Branco


RECEITAS E DICAS DE SUCOS VIVOS COM GIRASSOL GERMINADO
A Juliana Malhardes vende um kit, contendo coador, tule, elástico e sementes. Ele pode ser adquirido em www.culinariaviva.com.br